Bem vindos (as) ao NW Blumenau    |

SEGURANÇA ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Casos de HIV caem 16% em quatro anos no País

garantia de tratamento na rede pública de saúde foi responsável por reduzir em 16% os casos de infecção pelo vírus HIV nos últimos quatro anos em todo o Brasil. Além disso, em 2017, o País registrou a maior queda da mortalidade após a introdução do coquetel, em 1995. Os números constam no novo Boletim Epidemiológico apresentado pelo Ministério da Saúde, nesta terça-feira (27), durante cerimônia da campanha que celebra 30 anos do Dia Mundial de Luta contra a Aids.

“Esse é um momento de comemorar as conquistas, avanços no tratamento e redução de óbitos, mas também de refletir e trabalhar pela conscientização. Precisamos pensar em como vamos avançar a partir daqui. A prevenção é o grande segredo para a melhoria da saúde da população brasileira”, afirmou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

Durante o lançamento da campanha, o secretário de vigilância em saúde do ministério, Osnei Okumoto, anunciou que o Sistema Único de Saúde (SUS) vai oferecer, a partir de 2019, o autoteste para detecção do vírus HIV. Em um primeiro momento, serão disponibilizados 400 mil autotestes nas unidades de saúde que já oferecem teste rápido. O Ministério da Saúde realizou projeto-piloto de distribuição em algumas cidades. Atualmente, apenas a rede privada de saúde disponibiliza autotestes.

Resultado positivo
De 1980 a junho de 2018, foram identificados 926.742 casos de Aids no Brasil, um registro anual de 40 mil novos casos. Em 2012, a taxa de detecção da doença era de 21,7 casos por cada 100 mil habitantes e, em 2017, foram 18,3, queda de 15,7%. Em quatro anos também houve queda de 16,5% na taxa de mortalidade pela doença, passando de 5,7 por 100 mil habitantes em 2014 para 4,8 óbitos em 2017.

Bebês recém-nascidos, que podem ser infectados por mães portadoras do HIV, também estão mais protegidos. Nos últimos sete anos, houve uma redução de 56% nos casos de contaminação das crianças expostas. O aumento da testagem na Rede Cegonha contribuiu para a conquista. “A participação do grupo multiprofissional dentro dos municípios é importante para que a gente tenha o tratamento dessas mães pacientes e a realização de partos cesarianas, para que não haja transmissão do vírus para recém-nascidos”, destaca Okumoto.

Casos de HIV caem 16% em quatro anosLuta mundial
O Ministério da Saúde lançou uma plataforma online na qual usuários deixaram mensagens de apoio para pessoas que vivem com HIV. Colchas com as mensagens foram impressas e dispostas no gramado da Esplanada dos Ministérios, em Brasília. O ato lembra outro, 30 anos antes, em Washington, nos Estados Unidos, quando ação semelhante foi feita em frente ao capitólio.

A principal mensagem da campanha é o alerta de que a Aids não acabou, segundo a diretora do Departamento de Vigilância Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, Adele Benzaken. Ela destaca a necessidade da prevenção, por quem ainda não é portador do vírus, mas também da adesão ao tratamento por aqueles já infectados, como forma de garantir a sobrevida. “Há pessoas que já tomam remédio há 25 anos e estão há 20 com carga viral indetectável. É importante lembrar dessas pessoas, pois os indetectáveis não transmitem HIV, e isso é importante para quebrar o estigma e o preconceito”, ressalta Adele.

Por: Governo do Brasil, com informações do Ministério da Saúde

Foto: Erasmo Salomão/Ministério da Saúde

Comentários